sexta-feira, 26 de março de 2010

Terço Meditado (Sexta-Feira)


Mistérios Dolorosos

Primeiro Mistério

No Primeiro Mistério Doloroso contemplamos a agonia de Jesus no Horto das Oliveiras.

“CRISTO NÃO ESTÁ TRISTE POR SI E NÃO ROGA POR SI, MAS POR AQUELES A QUEM ADVERTE DE QUE OREM COM ATENÇÃO, PARA QUE NÃO CAIA SOBRE ELES O CÁLICE DA PAIXÃO”.

Santo Hilário de Poitiers

PASSAGEM BÍBLICA (Lc 22, 39-46). “Conforme o seu costume, Jesus saiu dali e dirigiu-se para o monte das Oliveiras, seguido dos seus discípulos. Ao chegar àquele lugar, disse-lhes: ‘Orai para que não caiais em tentação.’ Depois se afastou deles à distância de um tiro de pedra e, ajoelhando-se, orava: ‘Pai, se é de teu agrado, afasta de mim este cálice. Não se faça, todavia, a minha vontade, mas sim a tua.' Apareceu-lhe então um anjo do céu para confortá-lo. Ele entrou em agonia e orava ainda com mais instância, e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra. Depois de ter rezado, levantou-se, foi ter com os discípulos e achou-os adormecidos de tristeza. Disse-lhes: ‘Por que dormis? Levantai-vos, orai, para não cairdes em tentação.’”

NARRATIVA: Jesus, em momento de particular aflição, consciente do destino que O aguardava, dirige uma súplica ao Pai. Todavia, malgrado a intensidade da angústia que experimenta, submete-se inteiramente à Sua vontade e abraça o destino para Si traçado, cumprindo fielmente com a missão que Lhe fora confiada, de modo a redimir, a preço de sangue, o gênero humano.

FRUTOS: Oração contemplativa e abandono à vontade de Deus.

SÚPLICA: Por este Mistério, peçamos ao Pai, pela intercessão da Santíssima Virgem, a graça de compreender a necessidade da oração constante, como meio indispensável para que possamos descobrir a vontade de Deus em meio aos acontecimentos cotidianos e, desta forma, dar fiel cumprimento aos Seus desígnios, entregando-Lhe alegremente nossas vidas e abraçando Sua vontade sem reservas. Que tenhamos ainda, através da oração, a coragem suficiente para enfrentar e sair vitoriosos das tentações e adversidades que nos sobrevierem.

INTENÇÃO: Por todos os que agora se sentem de alguma forma abandonados e pélas as nossas intenções particulares.

(Breve pausa para meditação)

Um Pai Nosso/Dez Ave-Marias/Glória/Oração de Fátima/Jaculatória a Maria de Guadalupe.

AO FINAL:
Graças do Mistério da Agonia no Horto das Oliveiras, descei em nossas almas. Amém.


Segundo Mistério

No Segundo Mistério Doloroso contemplamos a flagelação de Nosso Senhor Jesus Cristo.

“SENHOR, FAZE-ME SENTIR TODA A TUA DOR E TODO O AMOR QUE EXPERIMENTASTE NA TUA PAIXÃO: TODA A DOR, PARA QUE EU ACEITE TODA A MINHA DOR NESTE MUNDO; E TODO O AMOR PARA QUE EU RECUSE TODO AMOR MUNDANO.”

Santo Agostinho

PASSAGEM BÍBLICA (Mt 27,24-26). “Pilatos viu que nada adiantava, mas que, ao contrário, o tumulto crescia. Fez com que lhe trouxessem água, lavou as mãos diante do povo e disse: ‘Sou inocente do sangue deste homem. Isto é lá convosco!’ E todo o povo respondeu: ‘Caia sobre nós o seu sangue e sobre nossos filhos!’ Libertou então Barrabás, mandou açoitar Jesus e lho entregou para ser crucificado.”

NARRATIVA: Por amor, Jesus se entrega à flagelação dos carrascos. Assumindo hedionda posição de neutralidade perante uma acusação criminosa, Pilatos, embora convencido de que Ele não havia cometido mal algum, manda açoitar Jesus que sofre, em Seu corpo, pelos nossos pecados.

FRUTOS: Mortificação dos sentidos.

SÚPLICA: Por este Mistério, peçamos ao Pai, pela intercessão da Santíssima Virgem, a graça de combatermos ardentemente o pecado e a concupiscência, que tanto fez sofrer Nosso Senhor e, assim, através do desprezo daquilo que é do mundo, manter-nos intimamente unidos a Ele.

INTENÇÃO: Por todos os que padecem injustiças e pelas as nossas intenções particulares.

(Breve pausa para meditação)

Um Pai Nosso/Dez Ave-Marias/Glória/Oração de Fátima/Jaculatória a Maria de Guadalupe.

AO FINAL:
Graças do Mistério da Flagelação, descei em nossas almas. Amém.


Terceiro Mistério

No Terceiro Mistério Doloroso contemplamos a coroação de espinhos.

“OS SEUS OPRÓBRIOS APAGARAM OS NOSSOS, AS SUAS LIGADURAS TORNARAM-NOS LIVRES, A SUA COROA DE ESPINHOS ALCANÇOU-NOS O DIADEMA DO REINO E AS SUAS FERIDAS CURARAM-NOS.”

São Jerônimo

PASSAGEM BÍBLICA (Mc 15, 16-19). “Os soldados conduziram-no ao interior do pátio, isto é, ao pretório, onde convocavam toda a coorte. Vestiram Jesus de púrpura, teceram uma coroa de espinhos e a colocaram na sua cabeça. E começaram a saudá-lo: Salve, rei dos judeus! Davam-lhe na cabeça com uma vara, cuspiam nele e punham-se de joelhos como para homenageá-lo.”

NARRATIVA: As humilhações e tormentos não cessam com a flagelação. Logo em seguida, Jesus é conduzido ao Pretório, onde recebe um coroa tecida com espinhos, entrelaçados em forma de capacete, é vestido com um manto purpúreo, qual a caricatura de um rei e, tendo a cabeça impiedosamente golpeada, em franca demonstração de escárnio ao Bem Supremo, é cruelmente tripudiado.

FRUTO: Humildade e resignação diante das ofensas e injustiças suportadas.

SÚPLICA: Por este Mistério, peçamos ao Pai, pela intercessão da Santíssima Virgem, a graça de entregarmos a Jesus todo o nosso coração, para que possamos amá-Lo e louvá-Lo como nosso Rei e Senhor absoluto de nossos destinos e de nossas vidas, oferecendo-as a Ele com todo o amor.

INTENÇÃO:
Pelas autoridades detentoras de poder de decisão e por todas as nossas intenções particulares.

(Breve pausa para meditação)

Um Pai Nosso/Dez Ave-Marias/Glória/Oração de Fátima/Jaculatória a Maria de Guadalupe.

AO FINAL:
Graças do Mistério da Coroação de Espinhos, descei em nossas almas. Amém.


Quarto Mistério

No Quarto Mistério Doloroso contemplamos Jesus a caminho do Calvário, levando a cruz às costas.

“É MAIS PERFEITO CARREGAR CORAJOSAMENTE A CRUZ, DO QUE ABUNDAR EM BOAS OBRAS.”

São Boaventura

PASSAGEM BÍBLICA (Lc 23, 26-28,32). “Enquanto o conduziam, detiveram um certo Simão de Cirene, que voltava do campo, e impuseram-lhe a cruz para que carregasse atrás de Jesus. Seguia-o uma grande multidão de povo e de mulheres, que batiam no peito e o lamentavam. (...) Eram conduzidos ao mesmo tempo dois malfeitores para serem mortos com Jesus.”

NARRATIVA: Uma vez condenado, Jesus toma Sua Cruz e, sem manifestar o menor repúdio, carrega-a sobre os ombros, percorrendo um longo caminho até o monte Calvário, no decorrer do qual sofre quedas, encontra-se com Sua Mãe, é acompanhado por mulheres piedosas e, esgotadas as forças físicas, chega a necessitar do auxílio de um transeunte para levar a termo Sua missão.

FRUTO: Paciência, coragem e fortaleza diante das tribulações que se nos apresentam ao longo desta vida.

SÚPLICA: Por este Mistério, peçamos ao Pai, pela intercessão da Santíssima Virgem, a graça de abraçarmos amorosamente nossa própria cruz e, unidos a Cristo, corajosamente carrega-la, vencendo as provações da vida, de modo a lograrmos compartilhar também de Sua glória.

INTENÇÃO: Por todos os condenados e pelas as nossas intenções particulares.

(Breve pausa para meditação)

Um Pai Nosso/Dez Ave-Marias/Glória/Oração de Fátima/Jaculatória a Maria de Guadalupe.

AO FINAL:
Graças do Mistério do Caminho do Calvário, descei em nossas almas. Amém.


Quinto Mistério

No Quinto Mistério Doloroso contemplamos a crucifixão e morte de Jesus.

“ELE SE FEZ NA CRUZ MALDITO PARA QUE FÔSSEMOS BEM-AVENTURADOS NO REINO DE DEUS.”

Santo Ambrósio

PASSAGEM BÍBLICA (Jo 19, 25-30). “Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena. Quando Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à sua mãe: Mulher, eis aí teu filho. Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E dessa hora em diante o discípulo a levou para a sua casa. Em seguida, sabendo Jesus que tudo estava consumado, para se cumprir plenamente a Escritura, disse: Tenho sede. Havia ali um vaso cheio de vinagre. Os soldados encheram de vinagre uma esponja e, fixando-a numa vara de hissopo, chegaram-lhe à boca. Havendo Jesus tomado do vinagre, disse: Tudo está consumado. Inclinou a cabeça e rendeu o espírito.”

NARRATIVA: Finalmente, depois de tantos tormentos, Jesus atinge o momento supremo de Sua vida, entregando-se na Cruz, consumando, assim, a obra da redenção do gênero humano.

FRUTO: Amor extremado, exclusivo e sem limites por Jesus, visto que enamorar-se Dele é a única forma de retribuir a tão magnífico gesto de amor extremado.

SÚPLICA: Por este Mistério, peçamos ao Pai, pela intercessão da Santíssima Virgem, a graça de atingirmos uma entrega total e sem reservas ao Crucificado, saciando, assim, a sede de Nosso Senhor.

INTENÇÃO: Pela conversão dos pecadores, perseverança dos justos, alívio das almas do purgatório e por todas as nossas intenções particulares.

(Breve pausa para meditação)

Um Pai Nosso/Dez Ave-Marias/Glória/Oração de Fátima/Jaculatória a Maria de Guadalupe.

AO FINAL:
Graças do Mistério da Crucifixão e Morte de Jesus, descei em nossas almas. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário